PERSONAGEM FOLCLÓRICO

Severiano, o Forrest Gump de Posse

por

No premiado filme norte-americano “Forrest Gump – O Contador de Histórias”, o personagem de Tom Hanks, sentado em um banco de ponto de ônibus, conta a sua incrível saga às pessoas que dividem com ele o assento. Jovem com dificuldades mentais, garante que teria vivido situações incríveis como conhecer diversos presidentes, astros como Elvis Presley, John Lennon, ido à guerra do Vietnã, comprado um barco, se tornado campeão de tênis de mesa, entre outras façanhas.

A cidade de Posse, no Nordeste Goiano, também tem o seu Forrest Gump. Uma versão sertaneja e rústica do herói americano. Severiano Rodrigues. Ou apenas Severiano. Um homem de pouco mais de um metro de altura, corpo franzino, com pouco mais de 70 anos de idade. Tem a pele judiada e os poucos dentes que lhe restam estão danificados.

Mas sua exótica anatomia não é o que chama a atenção das pessoas de Posse. Quando Severiano abre a boca o interlocutor é presenteado com histórias incríveis, que o contador, claro, acredita piamente e manteria sua versão até no Juízo Final.

Eleições

Sempre se referindo na terceira pessoa como Pelé, Severiano conta que em 1992 foi eleito vereador em Posse, com votação superior a do prefeito da época. “Faltaram 90 votos para Severiano ter 30 mil”, delira. Só a título de esclarecimento, Posse teve em 2016, sua última eleição, 23.771 eleitores. Imagina o que teria há duas décadas.

“Prefeito fui eleito umas quatro vezes”, diz, perdendo a conta do êxito nas urnas. Detalhe: de acordo com Severiano forças ocultas nunca permitiram que ele tomasse posse em seus cargos. “É uma perseguição danada. Perseguem Severiano porque sabem que Severiano é mais inteligente que todos eles”, explica o motivo da celeuma eterna.

Ele conta que estudou até o segundo ano do Ensino Fundamental. “Mas minha inteligência vem de Deus”, revela.

Apesar de garantir ter dons geniais, Severiano não deixou nenhuma obra literária escrita, não compôs nenhuma sinfonia ou inventou alguma geringonça que facilitasse a vida das pessoas. Também não liderou nenhuma seita ou se declarou profeta. Sua energia é canalizada para a vida pública.

Deputado vitalício

O mais incrível é que Severiano garante que é deputado federal. “Sou uma autoridade política”, diz, gesticulando, “Fui eleito deputado federal duas vezes. A segunda vez foi um mandato vitalício, para sempre”, disse. No Brasil os mandatos de deputado são renovados a cada quatro anos. Roberto Balestra (PP), apesar de estar há três décadas no Congresso, batalhou para ser eleito oito vezes. Não teve a sorte de Severiano.

Com tanto cacife deveria estar em Brasília defendendo os direitos do povo de Posse, de Goiás e do Brasil. Certo? Errado, pelo menos é o que argumenta Severiano. “Não tem como eu ir. Só se for a pé”, explica. Segundo o folclórico cidadão, a perseguição à sua pessoa é tanta que suas correspondências são violadas pelos Correios e boicotado nas empresas de ônibus. “Nem posto mais qualquer carta. Eles abrem todas as minhas correspondências”, se revolta.

Vida dura

Severiano não soube precisar, apesar de muita ladainha, se é aposentado ou não. Só denuncia que está sendo passado pra trás. De acordo com suas contas, foi lesado em R$ 126 mil de aposentadoria.

Não quis dizer onde mora. Por medo da citada perseguição. É visto pelas ruas do centro de Posse. É saudado e cumprimentado por todos. É um homem sistemático. Não bebe nem fuma. Aliás, tem ojeriza de álcool e de pessoas que bebem. Às vezes se traja de terno e anda com uma maleta a tiracolo. Gosta de roupa social, de andar na beca.

“Sou um homem de muitas posses, mas a perseguição tirou tudo de mim”, revela, magoado. Eis o homem, a lenda viva, que desprezando toda a lógica e os fatos, se anuncia como a maior autoridade política de Posse.