PROJETO FORNALHA

Operação da Anglo American substitui óleo por eucalipto

por

A substituição de um óleo derivado do petróleo por uma matéria-prima renovável e não poluente é o grande trunfo do Projeto Fornalha, da Codemin, operação da Anglo American que produz níquel na cidade de Niquelândia. No mês de agosto, entrou em operação a nova fornalha para geração de gás quente no forno de secagem do minério. Como combustível para aquecimento, ela permite utilizar cavaco de eucalipto no lugar do óleo.

A nova fornalha, que tem cerca de 3 metros de largura, 6 metros de comprimento e 4 metros de altura, possui capacidade de geração de 4,5 gigacalorias por hora (Gcal/hora), provenientes da queima do cavaco de eucalipto, um combustível renovável. “Levamos cerca de 18 meses para implantar a nova fornalha, com um investimento de R$ 9 milhões”, recorda José Antônio Rodrigues Júnior, gerente de Processos.

Para aquecer o secador de minério, são utilizadas 750 toneladas de cavacos de madeira por mês. O novo combustível vem das florestas de eucalipto mantidas pela empresa também em Niquelândia, em um processo constantemente renovável. A queima do eucalipto no lugar do óleo mineral reduz significativamente a emissão de gás carbônico e seu impacto na atmosfera.

A ideia surgiu no setor de Processos da Codemin, que levantou a possibilidade de se utilizar o cavaco de eucalipto – já usado como agente redutor de minério – para geração de gás quente no forno secador de minério, substituindo o óleo 1A, um combustível viscoso proveniente da destilação das frações do petróleo.

Os cálculos de viabilidade técnica e econômica foram realizados e, em seguida, aprovados pela empresa.  “A partir daí, a equipe de engenharia entrou em ação, detalhando todo o projeto, fazendo as aquisições necessárias, montagem e início do novo sistema ”, explica Marcelo Ito, coordenador de Projetos.

A nova fornalha é uma caixa refratária com uma grelha inferior, onde há a queima do cavaco e a geração de gases quentes. Esses gases são insuflados no forno secador de minério. Entre as principais peças que compõem a fornalha e seus acessórios estão ventiladores, dutos de ar e de gases e uma câmara de equalização dos gases, que tem a função de garantir a temperatura desejada. “Com exceção do próprio forno secador, todo o restante do sistema de geração de calor é novo, desenvolvido para essa finalidade”, comenta Marcelo Ito.

O novo sistema representa, ainda, uma considerável redução de custo para a companhia. Segundo José Antônio Rodrigues, a economia gerada pelo uso do cavaco de eucalipto no lugar do óleo 1A é da ordem de R$ 3 milhões por ano.

Redução na emissão de gases do efeito estufa

A eficiência operacional, aliada ao desenvolvimento sustentável e ao respeito ao meio ambiente, é um dos pilares da operação níquel da Anglo American. O Projeto Fornalha tem como objetivo a redução do consumo de combustíveis fósseis e, consequentemente, a emissão de gases do efeito estufa e de poluentes. Também no mês de agosto, a Anglo American recebeu o Selo Ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol, pela total transparência dos programas de controle de emissão e gases do efeito estufa. Tanto na operação do Minas-Rio, que produz minério de ferro, quanto nas operações para produção de níquel, em Niquelândia, houve redução na emissão de gases do efeito estufa.