A juíza Lúcia do Perpétuo Socorro Carrijo Costa, da 2ª Vara criminal da comarca de Nerópolis, vai ouvir, no dia 4 de outubro, às 8h40, duas testemunhas de acusação, em virtude do não comparecimento delas na audiência realizada na sexta-feira (15).

Além das testemunhas arroladas pelo Ministério Pública, serão ouvidas também as de defesa. A audiência tem por objetivo esclarecer o motivo pelo qual a esteticista Suellem Coimbra do Carmo dopou e matou a Nayara Silva Costa para ficar como bebê dela.

Serão ouvidas as testemunhas de acusação Marcos Johny Pereira da Silva, que está preso, e Ítala Barros de Carvalho, que não tinha sido intimada, assim como as de defesa Igor Neves Bezerra, Thawanny Eduardo Nascimento e Alessandra Santos Pires Silva.

O crime aconteceu em junho deste ano, depois de Nayara ter conhecido Suellem em um grupo de rede social que reúne grávidas que, em situação econômica vulnerável, precisam de doações.