Cidades

Após fracasso do lockdown, prefeito Renato de Castro decide voltar funcionamento normal do comércio

Em reunião com seu comitê de crise na manhã de terça-feira, no auditório do Paço Municipal, o prefeito de Goianésia, Renato de Castro (MDB), reconheceu que o lockdown parcial, iniciado na semana passada, surtiu efeito contrário. “Foi um tiro que saiu pela culatra”, admitiu.

Renato concluiu que não adianta fechar os bares mais cedo porque as pessoas estão indo para casa fazer festinhas com grandes aglomerações.

Diante do frenesi da sexta-feira (3) nos supermercados, o prefeito decidiu flexibilizar as medidas, com funcionamento em horários normais para os supermercados, bares até às 23h, inclusive aos finais de semana e as igrejas podendo realizar suas celebrações todos os dias.

O prefeito prometeu que vai focar em três aspectos a partir de agora: mais rigor na fiscalização, ampliar a capacidade de atendimento da rede de saúde e recomendar aos médicos o tratamento precoce, como vem acontecendo em alguns municípios.

Renato se mostrou bastante pessimista quanto ao engajamento da população nas medidas tomadas pela prefeitura, na tentativa de frear o avanço do contágio do coronavírus.

Ele adiantou que a UPA conta com 20 leitos e 9 respiradores funcionando. E que está aguardando a chegada de mais 6 alugados e 20 doados pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado na tarde de segunda-feira (6), Goianésia registrou desde o início da pandemia, 215 casos positivos. Destes, 35 continuam infectados. São 7 óbitos, 173 recuperados e há 417 casos suspeitos, aguardando resultados laboratoriais.

Jornalista e Escritor

× Fale Conosco